Como definir prioridades e executar tarefas

Como definir prioridades e executar tarefas

Thais Godinho é escritora, blogueira e organizadora profissional. Neste texto simples dá dicas importantes sobre administração e visão do tempo. 

“Só vai mesmo a algum lugar quem sabe para onde quer ir…”

É a máxima do meu domingo, que seja bom para todos. 

Faça um jardim de ervas em casa

Faça um jardim de ervas em casa

Uma caixa de madeira com flores é como um pequeno jardim portátil. Quer você a coloque no parapeito da janela ou pendure em pregos para decorar um muro, o recipiente é tão decorativo quanto prático. – See more at: http://www.selecoes.com.br/faca-um-jardim-de-ervas-em-casa?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=maissimples090114#sthash.VjCwwtzx.dpuf

18 coisas que as pessoas criativas fazem diferente

18 coisas que as pessoas criativas fazem diferente

Imagine um texto longo, cheio de referências e que precisa ser relido com atenção e boa disposição para ser integralmente aproveitado. Esse é assim, tanto que eu mesma ainda não me dei por vencida e haverei de estudá-lo com maior atenção.

(Em alguns pontos ele parece até um tanto repetitivo e isso graças ao fato de que o assunto foi tão esmiuçado que a gente se perde entre a leitura, reflexões e lembranças…)

Já ouviu falar de “Dieta de Leituras” ?

Já ouviu falar de “Dieta de Leituras” ?

Este é um post de citação, um texto do Danilo Venticinque que esbofeteou minha cara para encarar uma antiga verdade:
Perco tempo demais querendo saber… TUDO!

Vale muito mais do que uma espiada, que seja um novo modo de vida… pra nós!

Um trechinho pra aguçar:

“O Facebook está insuportável hoje. Pelo menos foi isso o que um amigo me disse. Não duvido: com a quantidade de assuntos polêmicos em pauta, poucos resistem à tentação de entrar em debates acalorados e intermináveis sobre tudo. O advogado de bermuda, a comentarista descompensada, o Batman no Leblon. Quanto mais pitoresco o tema, maior parece ser a vontade de se debruçar sobre ele para escrever um post “definitivo”. Perdi a conta de quantas vezes sucumbi a essas armadilhas. … “

Roupa velha, Velha companheira!

Atualmente consumimos mais do que realmente precisamos para sobreviver. Não chegamos a ser acumuladores na maior parte das vezes, mas temos muitas opções – especialmente no vestir.

Há pouco estava colocando algumas roupas no tanquinho e reencontrei uma antiga amiga: uma camisola surrada, esburacada e tão maciaaaa (<3) e depois de tanto tempo juntas parei pra pensar: “Há quanto tempo ela está comigo?”

Fiz as contas. São 15 anos!!!

Ela foi adquirida em 1998 com uma finalidade e propósito distinto: cobrir minhas vergonhas para um pós operatório – onde retirei um tumor que havia danificado um ovário e meio do meu sistema reprodutor – e evitar que eu levasse uma daquelas roupas velhas e batidas que a gente usa pra dormir ainda na casa dos pais, sabe?

Me lembro do dia e da loja onde a escolhi, lá no “Calçadão” do centro da cidade. Minha mãe estava comigo e queria algo mais bonitinho, eu optei por um modelo pouco acima dos joelhos e com manga longa. A estampa? Casper! Isso, O Fantasminha Camarada.

 

Gasparzinho, O Fantasminha Camarada

 

É engraçado parar para pensar que uma roupa comprada de ultima hora, pra um fim nada animador (diagnóstico e cirurgia emergenciais me levaram a pensar no pior) está comigo até hoje!

No final das contas cá estamos nós. Ela que por estar no seu momento “limpeza” não pode estrelar o post, e eu que não consigo me lembrar de uma peça mais enigmática e marcante de todo meu guarda-roupas.

Obrigada Velha Companheira!